terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Electrodomésticos... Armas... Urânio... O que transportava o navio Bolama?

Ao longo dos últimos anos têm-se levantado várias suspeições sobre a carga que o navio Bolama transportava no fatídico dia 4 de Dezembro de 1991, quando naufragou à saída da barra do porto de Lisboa.
A versão que consta nos autos do tribunal, segundo um relatório da Capitania do Porto de Lisboa, é que o arrastão luso-guineense transportava seis toneladas de electrodomésticos, que seriam propriedade dos nove humildes pescadores guineenses (a embarcação de pesca deveria navegar para a Guiné Bissau nos dias seguintes).
O presidente do Sindicato Livre dos Pescadores, Joaquim Piló, que tem sido um dos principais intervenientes para a descoberta da verdade sobre o caso, refere em declarações ao JN de 04 de Dezembro de 2011, que "o navio transportava urânio e armas, e não electrodomésticos". 


Joaquim Piló, Presidente do Sindicato Livre dos Pescadores.


A 20 de Dezembro de 1991, dezasseis dias após o naufrágio, o semanário O Jornal, noticiava que o navio transportava uma carga nuclear e que tinha sido interceptado pela MOSSAD, os serviços secretos israelitas. A notícia nunca teve seguimento nem foi desmentida.

O Dinamarquês Jorgen Mortensen que perdeu o filho no naufrágio, referiu em 1997 numa entrevista ao jornalista Jorge Almeida da RTP que "existiu alguma coisa no interior do navio que as autoridades portuguesas não querem que venha à luz do dia. Estou convencido que a carga do Bolama tem algo a ver com material nuclear". Recorde-se que as autoridades portugueses nunca autorizaram uma operação de mergulho no navio.


Jorgen Mortensen, o empresário dinamarquês que mediou a venda do navio
para Portugal e que perdeu o filho no naufrágio.


Mais palpáveis parecem ser as declarações de José Mateus Caria, um dos pescadores do Bolama que normalmente dormia a bordo do navio. 


O pescador do navio Bolama, José Mateus Caria.

Dias antes da tragédia, num regresso a casa terá confidenciado ao filho que algo de estranho se passava. Numa das noites "tinha ouvido um barulho estranho proveniente do porão, encontrando dois tripulantes guineenses a tapar com caixas de camarão, alguns caixotes envolvidos com fita adesiva, dizendo os mesmos que se tratavam de electrodomésticos". (In Livro "O Mistério do Bolama - Acidente ou Sabotagem", Gradiva 2014).





Caso tenha alguma informação sobre o naufrágio do navio Bolama, solicitamos que nos envie um e-mail para: investigacaobolama@gmail.com